Bioquímica: Glicólise

antes de entendermos a glicólise, é legal deixarmos algumas coisinhas claras

A glicólise ocorre no citosol, não necessita de oxigênio para sua realização e possui função energética. Como produto, produz PIRUVATO, molécula que pode seguir 3 caminhos distintos:

  • Fermentação alcoólica: ocorre sem a presença do oxigênio, é realizada por bactérias e obtém como produto etanol e dióxido de carbono (CO2);
  • Fermentação lática: ocorre, também, sem a presença do oxigênio, é realizada por mamíferos e obtém como produto o lactato;
  • Descarboxilação do piruvato: ocorre com a presença de oxigênio, obtém como produto o acetil CoA;
antes de entendermos a glicólise, é legal deixarmos algumas coisinhas claras (3)
Quer ler sobre Km? Clique aqui!

@biologiaparaavida

Caminho anaeróbico que o piruvato pode seguir:

antes de entendermos a glicólise, é legal deixarmos algumas coisinhas claras (1)

A transformação de lactato em ácido lático permite a continuidade da via glicolítica sem oxigênio (reoxida o NAD). Produz 2 ATP.

Caminho aeróbico que o piruvato pode seguir:

antes de entendermos a glicólise, é legal deixarmos algumas coisinhas claras (2)

Produz 32 ATP.

REGULAÇÃO

  • Hexoquinase: inibida quanto tem muita glicose-6-fosfato;
  • Glicoquinase: inibida quando tem muita frutose-6-fosfato e glucagon (hormônio responsável por “jogar” glicose no sangue, logo se há essa necessidade, não deve-se gastar mais glicose) / ativada pela insulina (pois precisa gastar a glicose);
  • Fosfofrutoquinase-1: inibida quando tem muito ATP, H+ e citrato (sendo um dos primeiros produtos do Ciclo de Krebs, se há um excesso, não é mais necessário todo o processo) / ativada pelo excesso de AMP e frutose-2,6-bisfosfato (a frutose-2,6-bisfosfato ativa a glicólise e, inclusive, é ativada pela insulina, sendo necessário o gasto da glicose);
  • Piruvato-quinase: inibida pelo ATP, NADH (auxilia na produção de ATP) e acetil CoA (molécula que entrará no Ciclo de Krebs) / ativada pela frutose – 1,6 – bisfosfato;

 

bioquímica (8)

Fontes:

  • Aulas da Professora de Bioquímica da Universidade de Taubaté (UNITAU): Mariana Feijó de Oliveira;
  • Nelson, David L.; COX, Michael M. Princípios de bioquímica de Lehninger. Porto Alegre: Artmed, 2011. 6. ed. Porto Alegre: Artmed, 2014.

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: