Bioquímica: Ciclo de Krebs

O Ciclo de Krebs, também conhecido como Ciclo do Ácido Cítrico é um centro de oxidações biológicas, ou seja, oxida compostos orgânicos do nosso corpo, tais como:

  • Carboidratos: 4kcal, armazenado na forma de glicogênio no fígado e no músculo;
  • Lipídeos: 9kcal, armazenado como triacilglicerol no tecido adiposo;
  • Proteínas: 4kcal, armazenada nos músculos;

Pode se dizes que o ciclo é anfibólico e que comporta reações catapleróticas (quando intermediários do ciclo geram moléculas importantes) e anapleróticas (reposição das moléculas intermediárias).

Produz co-enzimas reduzidas, tais como NADH e FADH2. Cada volta no Ciclo de Krebs gera 3 NADH, 1 FADH2 e 1 GDP (energéticamente equivalente ao ATP).

Para que o ciclo se inicie, é necessária a molécula de Acetil CoA.

digitalizar0006.jpg

digitalizar0007

REGULAÇÃO

  • Piruvato desidrogenase: é a molécula que transforma o piruvato (produto da glicólise) em acetil CoA, é inibida quando há um excesso de ATP, de NADH, ácidos graxos e de acetil CoA. Porém, é ativada quando há muito AMP e ADP na célula, NAD+, co-enzima A e cálcio no músculo (pois precisa produzir ATP para que a contração muscular ocorra);
  • Citrato sintase: é inibida quando há um excesso de ATP, NADH, citrato e succinil-CoA e ativada quando há muito AMP e ADP na célula;
  • Isocitrato desidrogenase: inibida por excesso de ATP e NADH, ativada quando há muito ADP e cálcio;
  • α – Cetoglutarato desidrogenase: inibida pelo excesso de NADH e succnil-CoA, ativada pelo cálcio;

INIBIDORES

  • Rotenona é inibidor do complexo I da Cadeia Transportadora de Elétrons, é um inseticida, piscicida e pesticida que ao inibir o complexo I acaba por impossibilitar o funcionamento de toda a Cadeia, não permitindo com que os elétrons sejam transmitidos;
  • Carboxina é inibidor do complexo II da Cadeia Transportadora de Elétrons, é um fungicida que ao inibir o complexo II acaba, também, por impossibilitar o funcionamento de toda a Cadeia, não transmitindo seus elétrons adiante e fazendo com que o FADH não consiga ser útil;
  • Antimicina é inibidor do complexo III da Cadeia Transportadora de Elétrons, é uma substância antibiótica que ao inibir o complexo III acaba por impossibilitar a passagem dos elétrons, trazendo danos à toda Cadeia;
  • Cianeto e Sulfeto de Hidrogênio inibem o complexo IV da Cadeia Transportadora de Elétrons, impossibilitando, mais uma vez, a passagem de elétrons por toda a Cadeia;
  • Oligomicina é inibidor do complexo V (=ATP sintase)  bloqueando  o movimento de prótons através desse canal;

DESACOPLADORES

“Rouba” prótons H+ da intermembrana, não permitindo a produção de ATP e discipando toda energia em forma de calor. Um exemplo muito conhecido é o 2,4-dinitrofenol (DNP) que foi, antigamente, muito utilizada para o emagrecimento.

bioquímica (8)

Fontes:

  • Aulas da Professora de Bioquímica da Universidade de Taubaté (UNITAU): Mariana Feijó de Oliveira;
  • Nelson, David L.; COX, Michael M. Princípios de bioquímica de Lehninger. Porto Alegre: Artmed, 2011. 6. ed. Porto Alegre: Artmed, 2014.
Anúncios

3 comentários em “Bioquímica: Ciclo de Krebs

Adicione o seu

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: