Zoologia dos Vertebrados Anamniotas: Chondrichthyes

Avanços evolutivos (Agnatas -> Chondrichthyes)
1) Escamas placoídes;
2) Apêndices pares (1 par de nadadeira peitorais e 1 par de pélvicas);
3) Mandíbula móvel articulada com o crânio;
4) Maxila fusionada com o crânio;
5) Dentes verdadeiros;
6) Órgãos reprodutores pares;
7) Ovários e testículos;

SUBFILO VERTEBRATA, CLASSE CHONDRICHTHYES, SUBCLASSE ELASMOBRANCHII
-Tubarões e raias;
-Predominantemente marinhos, algumas espécies dulcícolas;
-Tubarões são fusiformes e vivem, em maioria, na zona pelágica;
-Rais são ragiformes e vivem na zona bentônica (achatamento dorso ventral);

SUBFILO VERTEBRATA, CLASSE CHONDRICHTHYES, SUBCLASSE HOLOCEPHALII
-Apresentam 1 lamela (cabeça de peixe ósseo);
-Cercos branquiais (sustenta as branquias e placas cefálicas);
-Moldagem da maxila e mandíbula;
-Ausência de lamela branquial;

CLASSE CHONDRICHTHYES
Características externas

  • Cabeça;
  • Duas narinas;
  • Olhos laterais (tubarões)/ dorsais (raias);
  • De 5 a 7 pares de fendas branquiais laterais (tubarões)/ ventrais (raias);
  • 1 par de espiráculos (local pelo qual a água entra para realizar trocas gasosas, situa-se atrás dos olhos do animal);
  • Nadadeira: apresentam funcionalidade em ajudar, nesse caso, os peixes a se manter com equilíbrio e estabilidade na água do mesmo modo que ajuda na movimentação (ou, em algumas espécies, a manter o repouso);
  • Nadadeiras pares: peitoral e ventral;
  • Nos machos, a nadadeira pélvica do último raio é transformada em uma estrutura chamada clasper (órgão copulatório);
  • Nadadeiras ímpares dorsais: primeira e segunda com origem contínua, anal e caudal (heterocerca: permite a propulsão);
  • Nadadeiras peitorais direcionam o animal para a direita e a esquerda;
  • Nadadeiras caudais permitem a natação;
  • Raias e tubarões bentônicos perdem a nadadeira anal;
  • Apresentam cloaca;
  • Dimorfismo sexual primário (gônadas) e secundário (clasper);

Tegumento

  • Epiderme coberta por fileiras de escamas placoídes;
  • Cada escama apresenta um espinho curvo apontado para trás, não permitindo que o animal seja atacado pela parte de trás. As escamas são recobertas por esmalte e sustentadas por uma placa basal de dentina que penetra na derme;
  • As raias fundem as escamas formando o espinho na região dorsal;
  • A pele dos peixes cartilaginosos é rígida, delgada e apresenta glândulas mucosas;
  • Muco: reposto constantemente, tem estrutura eletroquímica, lubrifica e limpa o corpo, auxilia na osmorregulação e reduz a resistência e atrito durante a natação;
  • Glândulas granulosas (veneno): presente nos espinhos das raias e nadadeiras dorsais de alguns tubarões, associados a escamas modificadas;
  • Nas raias, as escamas podem estar presentes em todo corpo (Rhinobatidae- raia vida), podem se apresentar com grandes espinhos na linha mediana do dorso ou estarem completamente ausentes (pele lisa), se transformando em um único espinho na cauda (espinho de toxina ou ferrão);

Aparelho digestivo

  • Em maioria, predadores;
  • Apresentam placas dentígenas durofágicas;
  • Boca margeada por fileiras de dentes;
  • Dente recoberto por esmalte, inseridos no tecido conjuntivo abaixo da derme, renovados constantemente;
  • Faringe, esôfago curto, estômago de carnívoro em forma de “J”;
  • Válvula pilórica: controla a passagem do estômago para o intestino;
  • Intestino;
  • Válvula espiral: contendo septos dispostos em forma de espiral, aumenta a área de digestão e absorção;

Sistema circulatório

  • Fechado;
  • Coração com 4 cavidades;
  • Simples: no coração só passa 1 tipo de sangue (venoso);
  • Sangue venoso e oxigenado presente;
  • Cone pulsátil: permite que o sangue venoso vá para as branquias sofrer hematose e volte para o corpo com velocidade baixa;

Trocas gasosas

  • Hemibranquias: 1º par de branquias (fundida com o corpo);
  • Holobranquias: 4 pares de branquias;
  • Arco branquial (sustenta) apresenta rastros para que o alimento não entre nas lamelas branquiais;
  • Animal ingere água pela boca, que vai para as lamelas em que ocorre difusão;
  • Alguns tubarões não param de nadar pois é assim que a água circula dentro dele (não suga água);

Regulação iônica/hidrônica/osmótica

  • Osmoconformistas;
  • Condricts tem salinidade elevada (maior flutuabilidade);
  • Converte amônia em ureia e retém, ficando hipertônico (ou isotônico) e ganhando água (talvez auxilie na flutuabilidade);
  • Glândula retal/de excreção de sal;
  • Rins opistonefros (2/ delgado/ dorsal);

Órgãos do sentido

  • Percepção do meio;
  • Foto-recepção (visão): olho constituído pela iris, retina (poucos cones (cores) e muitos bastonetes (contrastes luminosos)), cristalino, tapetum lucidum (camada refletora atrás da retina, controla a quantidade de luz, constituído por placas de cristais e tecido conjuntivo pigmentado);
  • Quimio-recepção (olfato/paladar): narina com tecido praguejado/ botões gustativos;
  • Mecano-recepção (linha lateral/ audição/ paladar): a linha lateral é constituída por “neuromastos” e recebe estímulos como: pH, temperatura, pressão/profundidade e vibrações. A audição ocorre por meio de ductos endolinfáticos (preenchidos por linfa) que vibram, apresentam macula neglecta (ciliada), conseguem ouvir baixas e altas frequências a longas distâncias. O tato é constituído por uma rede de nervos terminais próximo a superfície da pele (bate/raspa/encosta para perceber a dureza do objeto).
  • Eletro-recepção (ampolas de Lorenzini): localizada na cabeça, a ampola de Lorenzini recebe estímulos elétricos a curtas distâncias para localizar a presa;

Reprodução

  • Fecundação interna, presença de clásper nos machos (órgão copulatório e dimorfismo sexual secundário), baixa fecundidade relativa e maturidade sexual tardia;

Macho (♂): clásper (modificação do último raio da nadadeira pélvica), testículo;
Fêmea (♀): ovário, oviductos, glândula nidimentar (albumina/membrana colágena, função nutritiva e protetora), armazena esperma (possibilitando a desova parcelada);

OVIPARIDADE: estratégia basal/primitiva, ovo com filamentos, esclerotização da queratina;
-Extendida: desenvolvimento completo no meio;
-Retida: pouco antes de eclodir, o ovo vai para o meio completar seu desenvolvimento;

OVOVIVIPARIDADE: casca membranosa;
-Lecitotrófica: embrião se alimenta exclusivamente de vitelo;
-Ovofágica: eclosão na fêmea, estimula a parede do útero e se alimenta de ovócitos;

VIVIPARIDADE: presença de relação embriônico-materno, nutrição por estrutura semelhante e análoga à placenta, aumentando a fecundidade relativa;
-Trofonemática: trofonemas que liberam substâncias lipídicas;

Essa imagem tem um atributo alt vazio; o nome do arquivo é todo-crc389dito-e-agradecimento-c380-professora-de-imunologia_-cc389lia-gonc387alves-e-silva-2-1.png

Fonte:
-Aulas do Professor de Zoologia dos Vertebrados Anamniotas da Universidade de Taubaté: Itamar Martins.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: